Amparo está inclusa em hall de redes municipais de ensino de Educação de Qualidade

A Educação de Amparo foi apontada por uma pesquisa que reconhece 118 redes de Ensino em todo Brasil. A pesquisa foi lançada nesta quinta-feira, 25/6 pelo Comitê Técnico da Educação do Instituto Rui Barbosa (CTE-IRB) em parceria com o Interdisciplinaridade e Evidências no Debate Educacional (Iede) e teve a participação de todos os 28 Tribunais de Contas brasileiros com jurisdição na esfera municipal.

De acordo com o estudo, as redes reconhecidas buscam garantir a aprendizagem da maioria dos alunos, adotam ações para reduzir as desigualdades e manter os alunos frequentando a escola e apresentam avanços consistentes na aprendizagem dos estudantes ao longo dos anos.

Além de alcançarem bons resultados de aprendizagem no Ensino Fundamental, as 118 redes atingiram critérios mínimos de qualidade na Educação Infantil. Foram analisados indicadores como aprendizado dos estudantes em Língua Portuguesa e Matemática, segundo o Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb 2017); Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) atual e evolução desde 2005; e taxas de aprovação, conforme o Censo Escolar.

O projeto, destaca o presidente do CTE-IRB, Cezar Miola, “nasce da ideia de os Tribunais de Contas também avançarem na análise das políticas públicas e, ao identificarem boas práticas, disseminarem as mesmas para que sirvam de referência para outros gestores e profissionais que atuam na área pública”, disse. Cada uma das 118 redes recebeu um selo de qualidade, de acordo com o patamar em que se encontra: Excelência, Bom Percurso ou Destaque Estadual. Os selos foram criados para estabelecer parâmetros e levam em consideração os mesmos indicadores educacionais, o que os diferencia é o nível de exigência, sendo Excelência o mais rigoroso de todos e, na sequência, Bom Percurso.

“Para nós, é um orgulho termos Amparo avaliada e aprovada nessa avaliação. Nossas diretoras, professoras, equipes multidisciplinares e apoio nos orgulham pelo trabalho”, ressaltou o prefeito de Amparo, Luiz Oscar Vitale Jacob.

A pesquisa “Educação que Faz a Diferença” foi realizada ao longo de 2019 e, portanto, não leva em consideração as ações adotadas pelas redes de ensino durante a pandemia. Nesse sentido, Iede, CTE-IRB e Tribunais de Contas realizaram outro levantamento para identificar as estratégias e práticas das redes de ensino neste período de aulas presenciais suspensas e também como elas estão se organizando para a reabertura das escolas – a pesquisa “A Educação Não Pode Esperar” está disponível no www.portaliede.com.br e no www.projetoscte.irbcontas.orb

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *